27 set 2018

BY: rdhadmin

Sem categoria / Serviço Clínico

Comments: Nenhum comentário

OS 4 NÍVEIS DE INTELIGÊNCIAS

Sentido etimológico de inteligência: capacidade de discernir, de separar, de peneirar entre as diferentes alternativas e ser capaz de toma a decisão mais oportuna. Uma pessoa inteligente é, de fato, uma pessoa que sabe separar o essencial do acidental, o valioso do que carece de valor, aquilo que necessita para desenvolver uma determinada atividade daquilo que é irrelevante para a mesma.  Dentro deste contexto, conhecer e dominar os 4 níveis de inteligências.

A inteligência é o recurso que dá abertura para a totalidade e a capacidade de conquistar a verdade Ela capacita a transcender-se e superar todos os limites.

Um ser vivo se conduz inteligentemente quando põe em prática uma conduta caracterizada pelas seguintes notas:

  • Haver sentido;
  • Não basear-se em tentativas anteriores ou repetir-se em cada nova tentativa;
  • Responder a situações novas que não sejam típicas para a espécie ou para o indivíduo;
  • A capacidade que ela tem de criar-se em si mesma.

Teoria da Inteligência Múltiplas (Howard Gardner, Psicólogo Americano, 1983)

A identificação de distintas formas de inteligência não conduz a uma visão fragmentada da mente humana, pois cada uma desenvolve uma função peculiar e está integrada no conjunto.

São formas interdependentes e nenhuma delas é auto suficiente. portanto, é de vital importância conhecer e aprender a dominar os 4 Níveis de Inteligências.

  1. Inteligência lógico-matemática – racional

 Nos torna capazes de resolver problemas mediante processos indutivos e dedutivos, aplicando o raciocínio, os número e padrões abstratos. Manifesta-se nos cientistas atuais, engenheiros, matemáticos, economistas e administradores.

Durante muito tempo foi considerada a única inteligência no mundo ocidental, a dos números.

 

  1. Inteligência intrapessoal – emocional

 Nos habilita para formar uma imagem verdadeira e precisa de nós mesmos, para distinguir o que somos daquilo que representa no plano das relações sociais. Também nos permite compreender as necessidades mais profundas e os desejos fundamentais que emergem de nosso ser. Nos possibilita de conhecer aspectos internos de nossa própria identidade. O cultivo desta inteligência é essencial para elucidar qual profissão exercer e a função social a desenvolver. O autoconhecimento é a chave do êxito na vida afetiva e profissional

 

  1. Inteligência interpessoal ou social – relacional

 É a faculdade para entender e compreender os outros. Uma pessoa que cultive esta modalidade de inteligência tem uma habilidade especial para as relações sociais, para estabelecer vínculos e alianças empáticas com seus semelhantes, o que lhe é especialmente útil para gerar projetos em equipe e criar coesão em grupos de trabalho. Manifesta-se nos líderes religiosos, nos políticos, profissionais de socorro e bons professores, bem como em verdadeiros líderes corporativos.

Inteligência Espiritual – capacidade de transcender

É um tipo de inteligência que nos interrogue sobre o sentido da vida.

Para que vivemos?

Pergunta voltada ao fim, ao objetivo, a orientação para a nossa vida.

Para que serve a Inteligência Espiritual?

  • Abre a nossa mente ao fim, ao horizonte, ao objetivo maior e serve para ver as coisas em perspectivas.
  • Também serve para tomarmos distância, silenciar, desconectar, “desaparecer para valorizar como estou no mundo”. Analisar como estou no mundo, como andam meus vínculos, minhas atitudes e posturas perante a vida.
  • Capacidade de maravilhar-se do mundo, diante de um quadro, de um mar, de uma flor, de uma mesa de jantar bonita, de uma atitude nobre, de uma pessoa, etc…
  • Capacidade de aprofundar e transcender. Não se limita ao que vê, ao superficial, ao objetivo, ao senso comum.

No mundo corporativo, é a empresa que consegue olhar de fora o que está acontecendo dentro dela. Esta capacidade somente os seres humanos tem e quanto mais a acessamos mais chance temos de ultrapassar e transcender os problemas atuais em que estamos.

A capacidade de olhar de fora tem um enorme poder de tomarmos a melhor decisão para sair de nossa zona de conforto.

Deixe uma resposta